Diário da Gravidez: A decisão

Sumi pra variar e fiquei muito feliz ao entrar nesse cantinho e vê recadinhos perguntando se eu e meu baby estávamos bem. Carinho que não tem preço.
Vou tentar relatar tudo que me aconteceu nos últimos meses nos próximos posts.

Quem me conhece sabe muito bem que eu tenho muito medo do parto e acho que por isso eu levei um tempo para amadurecer esse assunto na minha vida.
Quando casei decidimos curtir nossa relação, amadurecer juntos e assim pensar em um filho. Claro que se nesse período tivesse acontecido seria muito bem vindo, mas nos prevenimos para que isso acontecesse no momento certo.
A cobrança da família era grande já que somos os irmãos mais velhos e nossos pais ainda não tinham um netinho/a. Mesmo com essa cobrança desde os primeiros meses de casados sempre falávamos que ia acontecer somente no momento certo.
Afinal ter um filho envolve muita coisa e interfere em todos os sentidos na vida do casal, foi que mesmo com medo do parto decidi trabalhar minha mente. Eu não seria a primeira e nem ultima mulher a sentir isso e como minha mãe sempre me falou "não se preoculpa depois que o bebê estiver a caminho vai ser o que você mais deseja, se entrou vai ter que sair". Mesmo com medo, meu instinto materno começou a bater na porta, principalmente por ter acompanhado minha prima desde o primeiro até o final da gestação quase todos os dias (trabalhamos na mesma empresa). Conversei com muitas amigas e tirei muitas dúvidas, o programa Boas Vindas da GNT virou o meu preferido e isso tudo foi tomando conta do meu coração.
No inicio deste ano falei pro meu marido, vou parar com a medicação e vou engravidar.
Ele abriu um sorriso e só me perguntou:
 - É isso que vc quer?
 respondi 
 - Sim e vc?
 - É o que mais quero!
Naquele momento eu percebi o quanto ele me respeitou, durante todo esse tempo de união não fez nenhuma cobrança apenas me apoiou e esperou nosso momento acontecer.
Decidido isso, fui ao médico e fiz vários exames. Descobri que meu colesterol estava alto, comecei a malhar, me reeducar e fazer acompanhamento médico até que tudo estivesse normalizado.
simultâneamente parei com a medicação e comecei a usar um aplicativo no celular para acompanhar meu período fértil, gente se seu ciclo for certinho esse aplicativo é excelente .
Apesar de ter decidido engravidar, a médica disse que isso levaria mais de ano para acontecer já que eu tomei remédio durante muitos anos. Eu e meu marido continuamos nossa vida normalmente, ninguém ficou sabendo da nossa decisão (para a expectativa não ser tão grande)  até que um dia o aplicativo me alertou que eu estava no período fértil e eu brinquei com meu marido:"vai que hoje dá certo".
Depois desse dia contrariando a minha médica descobri que estava gravida de 5 semanas quando minha menstruação atrasou 2 dias, depois de 3 meses sem medicação e com hipotireoidismo (que até então não sabia e não tomava medicamento para isso, descobri só depois de grávida).
Apesar dessa minha insegurança Deus está sendo muito generoso comigo, a gestação está tranquila e tudo se encaminhando certinho...

Próximo post vou contar como foi a descoberta.

bjussss em dose dupla


3 comentários:

  1. Carol adoro esses relatos!!! Sabe eu tbm contrariei os "dizeres" médicos, rsrsrsrs.

    Bjos

    ResponderExcluir
  2. Que legal o seu relato! O programa Boas vindas da GNT foi meu melhor amigo durante a gravidez inteira! Assistia todos os episódios e chorava feito criança! Eu tb morria de medo do parto, apesar de ter tentado que fosse normal, no meu íntimo sabia que ia ser cesárea, não sei porque. A minha filha não encaixou e esperamos até 40 semanas. O médico decidiu pela cesárea pelos riscos e pela minha idade também (34 anos).
    Te desejo tudo de bom nesta gravidez e que seu bebê venha cheio de saúde! Boa sorte!

    ResponderExcluir
  3. Parabéns a você e sua gravidez, muita saúde, paz, amor, carinho e realizações. É o que desejamos, agradecemos Att. Equipe Acetplace Embalagens. www.acetplace.com.br

    ResponderExcluir